in

Caso Ronaldinho: os R$ 30 mil que levaram o craque direto para a prisão

A vida de Ronaldinho vai ser dividida entre antes e depois de ser preso no Paraguai. O ex-craque do futebol mundial, com passagens por Grêmio, PSG, Barcelona, Milan, Flamengo, Atlético-MG e Fluminense, está preso desde o começo do mês passado em Assunção, no Paraguai.

Publicidade

Ronaldinho e seu irmão, Roberto Assis, foram detidos no dia 4 de março pelas autoridades do Paraguai. Os dois desembarcaram em Assunção e se dirigiram a uma sala vip do aeroporto, onde receberam cédulas de identidade e passaporte falsos. Era o começo de toda a situação ruim em Assunção.

Os R$ 30 mil que os levaram à prisão

Ronaldinho e Assis teriam pago R$ 30 mil pela confecção dos documentos. Até agora, não se sabe o motivo de esses documentos terem sido confeccionados. Para entrar no Paraguai, é necessário apresentar apenas o RG para quem sai do Brasil. Ronaldinho e Assis não precisariam do documento para isso.

Publicidade

As investigações prosseguem e o Ministério Público do Paraguai tenta descobrir se não há crime de lavagem de dinheiro. Ronaldinho viajou ao Paraguai para participar de um evento beneficente. A empresária Dalia López, que foi quem convidou o jogador, segue desaparecida. 

Publicidade

Sem data para deixar a prisão

As investigações avançam e não há data  para que Ronaldinho e Assis deixem a prisão. Os dois estão presos na Agrupación Especializada de Assunção desde o dia 6 de março. A defesa dos brasileiros tenta levá-los para a prisão domiciliar. Os três pedidos feitos até o momento foram negados. A Justiça paraguaia voltará a trabalhar normalmente no dia 13.

Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Diogo Marcondes

Jornalista formado desde 2015. Jornalista por vocação desde que nasceu. Redator da i7 Network. Aqui escrevo sobre política, futebol, TV & famosos e qualquer outro assunto que esteja repercutindo no Brasil e no mundo.
Entre em contato comigo pelo @DiogoMarcondes no Twitter!