in

Rogério Caboclo exigiu que funcionária negasse assédio: ‘Cadelinha’

Uol

Rogério Caboclo, presidente da CBF, Confederação Brasileira de Futebol, foi acusado formalmente por uma funcionária da CBF de assédio moral e sexual. Além disso, a mulher, que não teve seu nome identificado, expôs o consumo excessivo de álcool do cartola.

Publicidade

Caboclo foi formalmente denunciado

De acordo com a mulher, Caboclo também exigiu que ela mentisse aos repórteres que quisessem entrevista-la, sobre o ocorrido. Ela garantiu que o presidente queria que ela assinasse um contrato onde desmentia todas as acusações que haviam sido feitas contra ele, mediante a assinatura, ela receberia uma indenização. Mas, ela recusou e seguiu com a acusação formal.

A funcionária já estava afastada de suas funções, por questão de saúde, desde o dia 16 de março, quando, segundo ela, os assédios ficaram piores. Foi nesse momento que ela começou a ser pressionada a assinar um documento onde se comprometia a não fazer acusações formais, além de mentir para os jornalistas quando perguntada sobre o assunto.

Publicidade

Mas, ela não se intimidou e na última sexta-feira, 04 de junho apresentou sua denúncia ao Comitê de Ética do Futebol Brasileiro e à Diretoria de Governança e Conformidade para que as devidas medidas sejam tomadas.

Publicidade

Funcionária fez acusações chocantes

Nos relatos da funcionária ela apontou que Caboclo consumia álcool em excesso. Quando eles viajavam, a mulher relatou que Rogério fazia ela comprar garrafas de bebida em sua conta do hotel para que os registros não ficassem registrados em seu nome.

Publicidade

Ela ainda afirmou que ele a obrigava a deixar garrafas escondidas no banheiro para que ele pudesse beber escondido e depois ela deveria passar recolhendo as garrafas vazias para que ninguém suspeitasse. Ela afirmou que ele era desrespeitoso e fazia com que ela trabalhasse além do seu horário de trabalho. Muitas vezes ela recebia ligações de trabalho aos domingos e até mesmo de madrugada.

A gota d’água para a mulher teria acontecido no dia 9 de março. Ela relatou que estava na casa do administrador auxiliando em reuniões online e presenciais quando ele, depois de um dia inteiro consumindo álcool, chamou-a de “cadelinha” e começou a oferecer biscoitos de cachorro para ela.

Diante da repreensão da funcionária, Caboclo teria começado a latir, imitando os sons de um cachorro. A defesa do dirigente desmentiu qualquer acusação e disse que a inocência do cartola seria provada.

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Tatiane Braz

Estudante, escritora e apaixonada pela verdade, tenho como meta levar a notícia de forma clara e real. Amo ler e percebo a cada dia que um mundo melhor se faz quando o conhecimento que adquirimos é colocado em prática.