in

Tóquio: brasileiros perdem na estreia da esgrima em cadeira de rodas

Mônica Santos e Vanderson Chaves não avançam no sabre.

© Fabio Chey/CPB/Direitos Reservados

Os dois primeiros brasileiros a entrarem em ação na esgrima em cadeira de rodas na Paralimpíada de Tóquio (Japão) acabaram eliminados na primeira das duas armas (equipamento usado pelos atletas nas disputas da modalidade) nas quais competem. Mônica Santos e Vanderson Chaves não passaram da fase classificatória do sabre, na madrugada desta quarta-feira (25) no Centro de Convenções Makuhari Messe.

Publicidade

Na disputa das classificatórias do sabre individual feminino da categoria B, Mônica perdeu as cinco lutas que disputou, para a japonesa Chisato Abe (5 a 1), a húngara Boglarka Mezo (5 a 1), a ucraniana Olena Fedota (5 a 4), a chinesa Shumei Tan (5 a 0) e Irina Mishurova (5 a 3), do Comitê Paralímpico Russo.

Já no sabre individual masculino Vanderson Chaves também perdeu todos os seus confrontos, para o húngaro Istvan Tarjanyi (5 a 1), para o francês Maxime Valet (5 a 1), o polonês Grzegorz Pluta (5 a 0), o canadense Pierre Mainville (5 a 0) e Alexander Kurzin (5 a 1), do Comitê Paralímpico Russo.

Publicidade

Como nos Jogos no Japão cada atleta da esgrima em cadeira de rodas compete em duas armas, os dois voltam a entrar em ação no florete na próxima sexta-feira (27).

Publicidade

O Brasil volta a lutar por medalhas na esgrima em cadeira de rodas na noite desta quarta-feira, com o campeão paralímpico Jovane Guissoni e Carminha Oliveira.

Publicidade

* Matéria alterada às 19h44 de 25/08/2021 para corrigir a informação de que os atletas não teriam mais chances de medalha na Paralimpíada de Tóquio. Mônica Santos e Vanderson Chaves ainda voltam a competir no florete.


Publicado em 25/08/2021 – 01:22 Por Agência Brasil – Rio de Janeiro


Edição: Fábio Lisboa

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Escrito por Agência Brasil

Agência pública de notícias da EBC. Informações sobre política, economia, educação, direitos humanos e outros assuntos.