in

Cabe no Grêmio? Ex-volante da base está livre no mercado e poderia chegar de graça

Após boas temporadas e algumas polêmicas na carreira, Fernando está livre no mercado.

(Reprodução/Creative Commons/Wikimedia)

Com a saída do volante Maicon, o Grêmio deve ir ao mercado atrás de reforços. Com gastos elevados após as contratações de Campaz, Borja e Villasanti, o Tricolor deve priorizar negócios de ocasião, sobretudo com jogadores livres no mercado, que ainda podem ser inscritos no Brasileirão até a metade de setembro.

Publicidade

É o caso do volante Fernando, revelado na base do clube em 2009 e vendido para o Shakhtar Donetsk, em 2013. Atualmente sem clube, o volante de 29 anos poderia ser uma opção viável para o clube gaúcho, que conta apenas com Thiago Santos para a posição.

Fernando está livre no mercado, mas polêmicas assombram 

O volante teve um bom desempenho na Europa, embora esteja livre atualmente no mercado após seu contrato com o Beijing Guoan se encerrar. Recebendo chances na seleção brasileira no ano de 2012, Fernando teve amplo destaque na Rússia, quando atuou pelo Spartak Moscou. Contudo, o que marcou sua passagem pelo velho continente foi uma polêmica fora dos gramados.

Publicidade

Atualmente o jogador está com a imagem arranhada no Brasil, após o ex-motorista do jogador, Robson Oliveira, ser detido por transportar remédios proibidos para a Rússia. Os medicamentos, alegou a defesa de Robson, seriam para as dores crônicas do sogro de Fernando. O funcionário foi detido em 2019 e ficou preso até 2021, quando retornou ao Brasil.

Publicidade

O jogador tentou se explicar, mas a imagem no Brasil já estava destruída. “Em momento algum a gente escondeu qualquer coisa do tipo”, se defendeu o jogador em entrevista concedida sobre o caso.

Publicidade

Grêmio poderia sondar o jogador 

De férias no Brasil, o jogador poderia ser registrado até o dia 24 de setembro e ser um reforço para a equipe gremista, em crise no Campeonato Brasileiro. O volante chegou a ter uma proposta do Besiktas, da Turquia, mas a pedida de R$ 10,7 milhões por ano esfriou as conversas entre as partes.

Publicidade
Publicidade
Publicidade