in

Dinheiro da venda de Marrony já tem destino certo; Menin fala onde será utilizado

O clube vendeu o atacante Marrony para o clube dinamarquês do Midtjylland e já definiu o que vai fazer com o dinheiro.

Divulgação/Bruno Cantini + Site oficial do Atlético-MG

O Atlético-MG aproveita a folga nas competições nacionais e internacionais para acertar os detalhes no time, buscando manter o embalo na atual temporada. O clube faz uma temporada praticamente perfeita e ocupa a primeira colocação do Campeonato Brasileiro, além de estar vivo na Copa do Brasil e na Libertadores.

Publicidade

O clube mineiro montou um elenco de respeito aproveitando o apoio do grupo de torcedores conhecidos como “4 R’s“, que emprestou mais de R$ 400 milhões nos últimos anos. No mês de abril desse ano, o Atlético-MG apresentou documentos que mostram uma dívida do clube superior a R$1,2 bilhão, mais de 1/3 com o grupo.

O atacante Marrony, contratado com o apoio dos mecenas, foi negociado recentemente para a Europa e o destino do dinheiro envolvendo a venda já está definido. O jogador foi vendido para o Midtjylland (Dinamarca) por 4,5 milhões de euros (aproximadamente R$27,6 milhões), sendo 3 milhões de euros pagos no fechamento da contratação e o restante no mês de junho de 2022.

Publicidade

Além disso, o clube pode chegar a receber mais 3 milhões de euros caso o atacante cumpra todas as metas do contrato, totalizando a cifra de 7,5 milhões de euros (R$47,2 milhões). O clube mineiro era dono de 80% dos direitos econômicos do jogador e terá que repassar 270 mil euros (R$ 1,6 milhão) ao Volta Redonda e 630 mil euros (R$ 3,8 milhões) ao Vasco, referente aos 20% restantes do passe. 

Publicidade

Em entrevista para o Globoesporte.com, o empresário Rafael Menin, que ajudou na compra de Marrony, revelou qual será o destino do dinheiro ganho com a venda do atacante e afirmou que ficará totalmente com o clube mineiro.

Publicidade

Rafael afirmou que o clube mineiro ainda não tem capacidade financeira para devolver o investimento feito pelo grupo, ressaltando que deve levar um certo tempo para a diretoria acertar o encaixe no fluxo de caixa. Além disso, disse que as próximas vendas também devem ter 100% do dinheiro destinado ao clube, procurando diminuir o endividamento com outros credores.

O famoso grupo de torcedores é composto por Ricardo Guimarães, Renato Salvador, Rafael Menin e Rubens Menin, participante efetivamente das decisões do clube mineiro. Rafael ainda declarou que o grupo não tem objetivo de tirar alguma coisa do clube, ressaltando que é justamente o contrário e que decidiram ajudar o time mineiro em um momento de dificuldade.

Publicidade
Publicidade
Publicidade